Arquivo da categoria ‘Textos/Poesias/Poemas/Versos’

 

Sabe ás vezes,

Sinto alguém me observar

Penso então que é minha mãe ou meu pai

Mas nem sempre são eles,

Sei que parece confuso,

Mas também sei que no fundo

Alguém que conhecemos e hoje não está mais aqui

Para nos dar conselhos, elogios e às vezes até broncas,

É quem está a nos observa.

PS: Sinto a falta de vocês ;*

 

 

Anúncios

O tempo é muito lento para os que esperam
Muito rápido para os que tem medo
Muito longo para os que lamentam
Muito curto para os que festejam
Mas, para os que amam, o tempo é eterno.

(William Shakespeare)

Postei esse texto ai para que possamos fazer uma reflexão.

Desejo Boas Festas a todos que leem o blog e só voltarei aqui ano que vem.

Boas Festas!

Amor é fogo que arde sem se ver
É ferida que dói e não se sente
É um contentamento descontente
É dor que desatina sem doer

É um não querer mais que bem querer
É solitário andar por entre a gente
É nunca contentar-se de contente
É cuidar que se ganha em se perder

É querer estar preso por vontade
É servir a quem vence, o vencedor
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís de Camões

 

Este é um dos meus poemas preferidos, é um dos que fala de amor verdadeiro, tudo a ver comigo esse mês. rs’

Sentir Minha Falta

Publicado: novembro 1, 2010 em Textos/Poesias/Poemas/Versos

Um dia você vai procurar no infinito e verás apenas uma estrela dizendo que fui embora. Pedirás a ela que lhe mostre o caminho, mas será inútil, pois apagarei minhas pegadas com a minha dor, mas não quero esquecê-lo para que eu lembre que esse amor terá que morrer no passado. Um dia a saudade ferirá seu peito, não que ainda tenha sido importante para você, mas porque fui inútil na sua vida. E quando precisar de alguém nos momentos decisivos de sua vida, encontrarás apenas o vazio. Certamente lembrarás de mim, e seus olhos impressivos chorarás lágrimas de sangue. Um dia buscará minha poesia no pôr-do-sol e no despertar da lua, mas encontrarás apenas o silêncio e perguntarás: onde estás? E respostas não terás, porque até mesmo a natureza se negará a dizer. Um dia quando os seus sonhos forem derrubados pela incompreensão, sentirás no peito a flecha do arrependimento por não ter amado quem muito te amou. A verdade é que um dia sentirás minha falta, mas será inútil chorar, pois suas lágrimas não me trará de volta, porém, farei delas um rio e navegarei para longe do porto onde estiveres. Deixarei apenas a saudade para que ela te acompanhe onde andares. E ela lhe mostrará o quanto minha presença lhe faz falta.

Autor Desconhecido