Arquivo da categoria ‘Texto de própria autoria’

 

Sabe ás vezes,

Sinto alguém me observar

Penso então que é minha mãe ou meu pai

Mas nem sempre são eles,

Sei que parece confuso,

Mas também sei que no fundo

Alguém que conhecemos e hoje não está mais aqui

Para nos dar conselhos, elogios e às vezes até broncas,

É quem está a nos observa.

PS: Sinto a falta de vocês ;*

 

 

Assisti esse filme há uns dias atrás e ele me emocionou muito, foi o único filme que eu chorei do começo ao fim, muito linda a história de cumplicidade do cachorro com o dono, mas na verdade o que mais me emocionou foi a cena em que o cachorro não queria acompanhar o dono até a estação como ele sempre fazia, mas quando seu dono chega a estação o Hachiko (cachorro) vem bem atrás dele com a bolinha na boca – pra quem não assistiu ao filme no começo o dono dele faz de tudo pra ele buscar a bolinha e trazer novamente pra ele, mas o cão nunca faz isso – então o seu dono joga a bolinha e ele vai buscar essa cena me emocionou bastante porque o cachorro pressentia que algo ruim iria acontecer, e algumas cenas depois acontece – seu dono morre, dando aula – Hachiko como sempre ia buscar o dono na estação foi mas dessa vez seu dono não voltou, ele passou a tarde toda o esperando, depois a história começa a se repetir todos os dias Hachiko vai a estação senta no seu lugar e tem a esperança de ver seu dono chegando, isso se repete por 10 anos.

A foto é da cena que a esposa do dono dele vem ao lugar que o Hachiko se encontra senta ao lado dele e diz uma coisa que me emocionou muito: – Eu vou esperar ele com você, e os dois olham em direção a estação.

Quando o filme acaba nos créditos aparece que a história é baseada em fatos reais, que na China (se eu não me engano) aconteceu um caso parecido e que o lugar em que o cachorro ficava foi construído uma estatua em sua homenagem.

Esse é um filme muito emocionante e eu recomendo pra todas as idades. Agora uma coisa que eu queria muito quando vi o filme, é viajar pra esse lugar e ver a estatua concerteza se um dia eu fizer isso irei chorar ainda mais, lembrando do filme e de pessoas que fizeram parte da minha vida.

O texto não é um dos melhores, mas é meu ponto de vista em torno do filme, espero que gostem.

Comente

Reflita

Publicado: dezembro 7, 2010 em Assuntos Diversos, Texto de própria autoria

Será que a vida é como queremos? Muitos responderiam que não, mas ai vem outra pergunta. Você tem tudo ou a maioria do que queria ter? E ai a resposta muda e muitos responderiam sim.

E então se pensarmos pela segunda pergunta a resposta da primeira não deveria ser sim? Porque se temos tudo ou a maioria do que queremos logo temos a vida que queremos. Mas a verdade é que queremos sempre mais e mais, nunca estamos satisfeitos com o que temos sempre queremos mais.

Talvez seja por isso que nunca estamos 100% felizes porque se sempre queremos mais e mais coisas novas, temos que trabalhar mais, logo se trabalhamos mais, não temos tempo suficiente para nos diverti e curtir a vida e desse jeito estamos nos tornando pessoas antiquadas que não querem mais saber de sair, amargos qualquer coisa é motivo pra brigar, e cada vez mais vai ter raiva de tudo e todos.

Aquilo que nos trazia felicidade a 10 anos, hoje nos incomoda, nos faz mal e não queremos mais nem ouvir falar.

Por isso curta a vida, valorize tudo e todos, não pense que a vida é apenas trabalho para pode sustentar seus desejos. A vida é muito mais que coisas materiais. Pois eu te garanto uma coisa, que os momentos mais felizes da sua vida você não precisou de dinheiro, você só precisou de amor, carinho, felicidades e acima de tudo pessoas que te fazem bem.

Por isso curta a vida cada vez mais e viva cada dia como se fosse o último.

Comente sua vida é como você queria que fosse?

Alguns dos desenhos que fizeram parte da minha infância, daquele tempo que criança era inocente, que joelhos ralados curavam mais rápido que corações partidos, do tempo em que criança brincava na rua não na frente do computador e vídeo-game, no tempo em que meninas brincavam de casinha, boneca, e os meninos de carrinho, não que uns pegavam os outros. No meu tempo de criança, as meninas não se maquiavam e se enfeitavam todas se preocupando com a beleza, eram apenas crianças querendo brincar cada vez mais e que 24 horas era pouco pra um dia. No meu tempo de infância criança de 3 a 7 anos não se preocupavam em ter orkut, mecher na internet, essa crianças queriam apenas ser livres, brincar umas com as outras, rir, corre, dar cambalhotas, achar graça de tudo, cair de bicicleta, hoje em dia é tudo muito diferente.

E as vezes eu me pergunto se as crianças já estão assim não querem mais saber de brincar na rua, nem de bonecas ou carrinhos, daqui uns 10 anos, o que elas vão estar fazendo?

História de amor sempre tem um final feliz. Mas a minha vai ser diferente, vai ser sem final.

Um grupo de amigas estava passeando em uma praça perto de suas casas, até que algumas meninas viram um menino muito lindo e começaram a comentar entre si sobre o menino, mas uma das garotas não falava nada, até que uma de suas amigas notou e perguntou:

– Nanda, o que você achou dele?

– Um imbecil, insensível, igual os outros, vai fazer me apaixonar e depois partir meu coração dizendo de não era isso que ele queria.

– Nanda ele é lindo e nós apostamos que ele não é nada do que você está dizendo. – respondeu outra amiga

– Isso Isa vai falando o que você não sabe, se você se apaixonar por ele e ele te deixar depois, não venha atrás de mim. – retrucou Nanda

Elas ficaram discutindo o que o tal garoto era ou deixava de ser, mas elas não perceberam que ele se aproximava, quando vira ele já estava puxando Nanda de lado para conversar.

O tal garoto perguntou ao pé do ouvido de Nanda:

– Qual seu nome?

Nanda demorou pra responder, porque naquele momento ela percebeu que ele não seria como os outros garotos, mas decidiu continuar com sua “tese” sobre garotos.

– Nanda, mas pra você Fernanda e o seu? – perguntou como se não quisesse nada, mas no fundo ela queria saber tudo sobre ele.

– Fernando, não acha que nossos nomes combinam? – disse dando um meio sorisso, que fez Nanda se derreter por dentro, mas se manter forte o suficiente por fora pra ele não notar.

– Sinceramente? Podem ate combinar, mas eu não combino com você.

– Como sabe? Se até agora o que sabemos sobre o outro é apenas o nome?

– Isso é só uma desculpa de vocês garotos para ficar com nós garotas. Não sou tão ingênua quanto você pensa. – E Nanda saiu andando, deixando o garoto para trás como se nada tivesse acontecido, mas por dentro ela estava balançada pela conversa e principalmente pelo garoto.

Passou-se uma semana e eles nunca mais se encontraram, até que um dia Nanda saiu para andar pela praia sozinha, para poder refletir sobre o que havia acontecido em sua vida.

Nanda andava distraída pela praia, com os cabelos soltos ao vento, e sem querer acabou esbarrando em uma pessoa, ela muito educada foi pedir desculpas, mas quando a tal pessoa virou o rosto, ela o reconheceu de cara, era Fernando aquele que tinha balançado seu coração há uma semana atrás.

Fernando disse que não foi nada e falou pra Nanda:

– Eu aceito uma caminhada com você, em pedido de desculpas.

– Mas você é muito aproveitador, mas tudo bem eu ando com você e então conversamos.

Eles foram andando e conversando e não viram à hora passar, estavam sentados a beira mar, foi quando perceberam que sabiam mais um da vida do outro, do que seu melhores amigos viram também que já estava anoitecendo, Nanda se despediu, mas antes de ir embora trocaram telefones.

No outro dia Fernando ligou para ela, que atendeu ao telefone rapidamente, e sem que ela soubesse fez uma super declaração de amor e a pediu em namoro, ela aceitou no mesmo instante.

Desde esse telefonema começaram a namorar e o fim dessa história? Não tem afinal eu disse no começo que seria diferente seria sem final.

Então nos comentários deixe um final para a história, o que você acha que seria o melhor pros dois.

 

Quando acordo de manhã sempre a primeira coisa qe faço é ligar o computador e checar minhas redes sociais, sempre que entro no MSN alguem vem falar comigo e aí começamos a conversar, a hora passa e não consigo me desconectar.
Até que alguem vem falar que se eu demorar, ao trabalho vou me atrasar, no MSN me despeço das pessoas com quem estava a conversar e saio de casa apressada para não ser mandada embora.
Chegando ao trabalho, a convocação do meu chefe recebo para em sua sala conversar, com muito medo de ser despedida me encaminho até lá. Quando entro em sua sala, ele me convida a sentar, suando frio e com o coração acelerado, ele diz para eu me acalmar.
Ele diz que por eu ser uma trabalhadora exemplar, um prêmio eu estou a ganhar, como ele se calou minha curiosidade aumentou e antes dele falar, na cara de pau eu perguntei qual era o prêmio qe eu iria ganhar, para a minha surpresa era um mes sem trabalhar, muito feliz fiquei, agradeci muito a ele e da sua sala me retirei.
Saí apressada da empresa, para a novidade a todos contar, chegando em casa, minha mãe foi a 1ª, a me perguntar o que estava fazendo m casa ao invés de trabalhar, contei que um prêmio havia recebido e ficaria um mês sem trabalhar.
Depois de contar a minha mãe, me conectei na internet e twittei a novidade, todos que estavam online vieram me parabenizar, pois agora não iria me desconectar.
Agora minha rotina seria twittar todo dia até o prêmio acabar.

Falsidade

Publicado: outubro 29, 2010 em Assuntos Diversos, Texto de própria autoria

Sempre falamos que fulano é falso, ou que tem duas caras. Mas será que eles também não falam isso de nós? Quando viramos as costas, será que eles não dizem que temos duas caras e somos falsos?

Sempre pensamos que somos bons o bastante para ninguém nos chamar de falsos ou duas caras. Mas essa não é realidade, pois se achamos que temos o direito de falar que aquela pessoa é falsa, ela tem o mesmo direito de dizer isso de nos.

Porque sempre falamos dos outros, mas não gostamos quando os outros dizem isso? É muito simples isso, pois não gostamos que os outros dissessem o que não gostamos de ouvir, ou que digam nossos pontos fracos.

Quando uma pessoa é falsa ou duas caras, ela tem pontos fracos que não gosta que ninguém descubra por isso ela cria um personagem para camuflar esses pontos fracos, mas muitas vezes ela mesma esquece quem é. De tantos personagens não consegue mais reencontrar a si mesma.

E ai, ela sempre será um personagem bom ou ruim, mas nunca mais será a mesma, pelas mentiras que contou durante esse personagem.

Já pensou se ela fosse dizer para alguém todas as verdades que ela escondeu durante uma vida toda, por exemplo? Isso viraria uma grande confusão com altos e baixos e os amigos que ate então tinha, iriam virar os inimigos.


Por isso uma pessoa que é falsa/duas caras hoje vai ser pra sempre, ou então não terá amigos quando contar a verdade.